As moças desaparecidas estão chamando.

Ouço suas vozes. São vozes de fogueiras.

São vozes de vento nas vidraças!

Em torno de mim, há a noite que se desbruça como se estivesse

[me espiando.

Ouço a voz da minha prima Julieta, os seus cabelos se agitam.

As suas mãos fazem gestos e ruídos de pulseiras finas.

 

As moças desaparecidas estão chamando.

Que agitação de sombra desce pelo jardim,

Pelo eterno jardim agora povoado!

As moças desaparecidas estão chamando

Caminham para mim com os seus sorrisos.

Estou vendo Maria Helena, estou vendo as outras,

Estou vendo as que brincavam de amor nos portões pequeninos.

Alguma coisa de fundo cresce da grande tristeza desses cha-

[mados.

São as mortas que eram claras e meninas

São as delicadas que o beijo da morte prende misteriosamente

São os chamados das moças, da minha prima e de todas as outras,

Este chamado que estou ouvindo com o silêncio desta noite.

 

 

 

Augusto Frederico Schmidt