Avancei pela noite. Abri os braços e recebi a aurora

[pequenina.

Chorava ainda. Suas lágrimas desceram sobre o meu rosto.

Veio um perfume forte de flores molhadas,

Renovaram-se as vozes dos galos pelas campinas úmidas.

Lenhadores dormem nos casebres frios.

Estão nascendo flores misteriosas

Estão crescendo grandes almas nas sombras da noite.

Porque há um canto que sai da noite e vem acordar a aurora

[adormecida!

 

Augusto Frederico Schmidt