Mais da metade do território que hoje chamamos Brasil já foi coberto por um mar raso. Era habitado por animais bem diferentes dos que frequentam os oceanos atualmente. Faz um tempinho: 400 milhões de anos. Esse mundo poderá ser conhecido melhor em uma exposição no Museu Nacional, “No Tempo em que o Brasil era mar: O mundo há 400 milhões de anos visto a partir dos fósseis da Coleção do Museu Nacional” conta com cerca de 60 peças de invertebrados fósseis de diversos grupos ainda viventes. Mas muitos estão extintos, como bivalves, gastrópodes, braquiópodes, estrelas-do-mar e trilobitas.

Exposição"No Tempo em que o Brasil era mar”

A exposição faz parte das comemorações dos 199 anos de fundação do Museu Nacional — e uma prévia para o bicentenário. As peças pertencem às coleções do museu e nunca haviam sido expostas. Há fósseis da Comissão Geológica do Império, realizada há mais de 140 anos, da Coleção Caster, repatriada recentemente, e da Expedição Orville Derby.

O período que abrange a exposição, o Devoniano, é muito anterior ao aparecimento dos primeiros dinossauros. O território hoje ocupado pelo Brasil era boa parte coberto por mares rasos. Reinavam os invertebrados marinhos.

 

“No tempo em que o Brasil era mar”

Abertura: 6 de junho de 2017, às 15 horas.

Local: Museu Nacional (UFRJ), Quinta da Boa Vista, São Cristóvão.

Ingressos: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia)

Gratuidade: crianças até 5 anos e pessoas com deficiência

Site: www.museunacional.ufrj.br