A coleção De Martino do Museu Histórico Nacional e a exposição.

A coleção de quadros de Edoardo De Martino do Museu Histórico Nacional foi construída entre 1926 e 1941, quando a instituição se constituiu como referência do patrimônio cultural no Brasil. A primeira aquisição ocorreu por transferência de duas telas da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Entre 1927 e 1932, foi enriquecida de modo decisivo pela doação de 11 telas da Marinha do Brasil. O acervo se completou ainda com a incorporação de duas telas de coleções particulares, respectivamente de Bento Martins de Menezes, em 1937, e a segunda de Djalma Fonseca Hermes, em 1941.

A exposição no Museu é dividida em três partes, que seguem diferentes vertentes da pintura de Edoardo De Martino. A primeira, Paisagem de Navios, apresenta obras que afirmam o gênero da pintura de paisagem marinha, no qual a atmosfera do ambiente é enaltecida para além do tratamento descritivo dos navios. Em Retratos de Navios, as embarcações protagonizam as pinturas, apresentando-se em situação de pose. Por fim, a sessão Navios em Cena demonstra o destaque dado aos navios em relação a representações de figuras humanas na pintura de De Martino, característica que permite a sua obra transcender o caráter histórico, alçando-se a um limiar subjetivo e artístico.

 

Mais sobre Edoardo De Martino

Edoardo De Martino nasceu na cidade de Meta, região napolitana da Itália, então Reino das Duas Sicílias. O italiano segue os passos de seu pai na carreira militar na Marina de Guerra, e, paralelamente, frequenta cursos livres de pinturas, tendo sido aluno de nomes destacados da Academia de Belas Artes de Nápoles, como Domenico Morelli e Giacinto Gigante. A Baía Napolitana é, no século XIX, motivo artístico para os pintores de paisagens da região, que caracterizam a Escola de Posillipo.

Em 1866, De Martino estava embarcado como piloto e oficial da Marinha de Guerra no navio Ercole, para temporada na estação naval italiana de Montevidéu, no Uruguai. Há uma hipótese de que, ali, após testemunhar grave acidente naval, o então oficial decide abandonar a Marinha e seguir carreira artística. Do Uruguai, De Martino ruma ao Brasil onde é contratado por D. Pedro II para retratar a campanha militar brasileira no Paraguai, ganhando notoriedade como pintor de paisagens de guerra.

Conforme analisa o diretor do Museu Histórico Nacional, Paulo Knauss: “O conhecimento naval dos anos de formação e experiência na Marinha de Guerra se faz notar na obra do artista. Na criação de De Martino, os navios ganham vida e personalidade pelo desenho detalhado, destoando das manchas e do pincel ligeiro que marca o tratamento de outros elementos, como as figuras humanas.” Frisa-se que, para além do importante caráter documental, sua obra é relevante para a história da construção do olhar oitocentista.

 

Serviço:

Exposição: “Paisagens da Guerra – A pintura de E. De Martino”

Endereço: Museu Histórico Nacional – Praça Marechal Âncora, s/nº CEP nº 20021-200 – Rio de Janeiro

Telefone: (21) 3299-0324

A exposição fica em cartaz até o dia: 29 de junho de 2018

Horários: De terça a sexta-feira, das 10h às 17h30, e sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h.

Ingresso: R$ 10,00 (bilhete inteiro) e R$ 5,00 (meia-entrada). Entrada gratuita aos domingos.